portugal

Fotógrafos, modelos e o famoso ‘book’ - é um golpe? Não... mas tenha cuidado!

bglvisuals logo black.png

Noutro dia, recebi um pedido: “Gostaria de saber se você faz books.”

Tive de ser honesto: não tenho experiência na produção dos ditos ‘books’ (aquela pasta de apresentação com fotografias individuais impressas no formato desejado pelas agências de modelos).

O meu pacote THE MODEL é destinado à pessoa que sabe (mais ou menos) o que quer ou o que precisa, ou que já tem um portfólio e quer ampliá-lo, ou que tem um website / redes sociais que promovem a sua atividade de modelo.

Mas há muitas pessoas (especialmente jovens estudantes) que ainda não chegaram a esse ponto, ou que não sabem o que precisam do fotógrafo. Estas pessoas também precisam de imagens de qualidade, e merecem ter acesso. Só que, não sabem onde se dirigir. Não moram perto de uma agência conhecida; há pequenas agências que cobram o serviço com ‘promessas’ de trabalho; há quem diz que sai mais barato falar diretamente com o fotógrafo... Como proceder?!

Por isso, comecei a investigar mais o assunto. E, tal como elas, encontrei muita confusão. Há um monte de dicas para construir um bom book, e há um monte de artigos avisando que o book é só um golpe das agências e de fotógrafos tipo vilão de Disney.

Portanto, vou tentar ajudar…

Há agências com site muito profissional mas que não explicam muito bem o que precisam de si, e parece que sai bastante caro o processo de se inscrever, fazer o book, fazer formação, etc.

Há outras que dizem exatamente o que precisam de si, que pode trazer o seu book se já tiver, mas que têm estúdio próprio. Vão produzir elas as imagens que querem mostrar aos clientes. Se for uma agência mais ou menos grande, e de confiança, geralmente não cobram esse serviço. Se gostam de si no casting, fazem um investimento em si, ou deduzem o custo em trabalhos futuros.

Depois há agências mais pequenas, que não conseguem oferecer o book mas que são sérias, e outras que só querem o seu dinheiro e não fazem nada para lhe encontrar trabalho.

Então… como saber se uma agência é duvidosa?

Coisas que saltam à vista:

  • se nem tem domínio próprio (mau sinal: MelhorAgencia.wix.com.duvidosa.pt)

  • se não tem muita informação útil no site

  • se as imagens que publica estão tortas (o horizonte no fundo parece esquisito e você tem tonturas quando olha para a foto)

  • se as imagens não são nítidas (mesmo que não perceba nada sobre a fotografia, é fácil comparar a qualidade lado a lado com as imagens no site de uma agência muito conhecida)

  • se as imagens não têm bom equilíbrio de iluminação (ou seja, em cada foto o céu fica tão luminoso que nunca consegue ver detalhes, ou do outro lado consegue ver todos os detalhes mas o rosto não se vê muito bem; há uma aura roxa ou verde cerca do modelo; são muito saturadas - os rostos são todos laranjas; têm borrão ou desfoque de movimento, etc.)

  • se as imagens não são interessantes (ou seja, são todas as mesmas, sem variedade, modelo desconfortável com sorriso falso sempre olhando para a lente; não capturam qualquer conexão ou personalidade)

  • se o ‘book’ que produz for na verdade a pasta mais barata encontrada na seção Regresso às Aulas no supermercado

  • se há fóruns com mães e pais lamentando que pagaram o book daquela agência e a Maria ou o João nunca mais teve qualquer contacto...

 
Então… ONDE FICAMOS?!

O que é certo é que qualquer modelo precisa de algum tipo de portfólio, que seja o book tradicional, um website ou um Instagram dedicado. Não precisa de ter tudo feito num instante, mas precisa de algo que pode mostrar.

O book, ou qualquer portfólio, é algo que se construi com tempo. Vai adicionando mais à medida que ganhar experiência. Mas, claro, precisa de começar em algum lado.

Se vai inscrever-se numa agência só, e essa agência não pede muita coisa - se dizem que tratam de tudo sem custo adicional se gostam de si, pode ser que só precisa de algo muito básico. Uma foto de rosto e uma de corpo inteiro, naturais, tiradas no telemóvel. Pode arriscar!

Mas tem que pensar, essa agência vai receber centenas de inscrições com as mesmas fotos diariamente. E, o que acontece se quiser concorrer a outros trabalhos ou outras agências, ou até diretamente a contraentes?

Se for sincero(a) quando diz que quer ser modelo, tal como em qualquer profissão, deve pensar em algo que destaca. Sobretudo de hoje em dia quando qualquer pessoa pode tentar a sua sorte.

Se não tem dinheiro para um bom serviço de estúdio, ou simplesmente não há na sua zona, mas tem uma ideia do seu estilo e de qual tipo de trabalho quer contratar, e quer começar a construir algo:

O MÍNIMO, na minha opinião, seria:

  • 1 retrato de rosto e 1 retrato de corpo inteiro (jeans+camisa), feitos por um fotógrafo que percebe como capturar uma imagem de si que é mais do que ‘mais um rosto’ (é uma questão de ver se gosta do portfólio dele/dela). E que tem uma máquina capaz de produzir o tamanho de impresso que precisa (mesmo que fique para imprimir mais tarde – diga-lhe o tamanho que pode precisar)

  • 3 imagens ‘moda’ ou ‘lifestyle’ com looks diferentes

  • 1 imagem mais criativa que chama atenção ou mostra uma boa capacidade de emoção

São 6 imagens excelentes, que capturam o que quer mostrar sobre si. Podia fazer mais que ficam para o website/Instagram, se o seu orçamento o permitir, mas são 6 para apresentar.

Tal como a maioria das pessoas que não vão ler até aqui porque há mais de 3 linhas, uma agência que recebe centenas de inscrições não quer ver 20 imagens similares, de alguém que ainda não tem muita experiência. Querem ver o essencial, o seu potencial, alguma versatilidade, e o tipo de trabalho que podem visionar para si.

E para fazer isso, você pode construir uma sessão personalizada com qualquer bom fotógrafo. Que seja uma empresa ou uma pessoa, eu sou dedicado ao sucesso dos meus clientes. E sinceramente, um bom plano, um fundo dobrável portátil preto/branco e um bom flash, e um parque local durante a tarde são suficientes para começar!

Depois por exemplo quando tem mais experiência e tem adicionado trabalhos ao portfólio, pode procurar um estúdio que tem os recursos para lhe dar tudo - espaço privado, computador para ver logo as imagens, equipamentos mais avançados, experiência especializada, fundos mais interessantes, estilista, maquiagem…

Mas, não podemos ignorar o outro lado da moeda! Se for alguém que ainda não sabe qual tipo de modelo quer ser, e precisa de um fotógrafo que pode tratar de tudo, ou simplesmente se for alguém que quer a experiência de estúdio desde o início, pague esse serviço! Mesmo que tenha de economizar durante algum tempo, se é a opção certa para si, é um investimento para a sua carreira! Não tenha medo por causa dos artigos sobre golpes, há bons estúdios (e boas agências pequenas), honestos. É uma questão de usar a cabeça quando vai à procura deles! Procure qualidade, não só o preço.

Portanto, não, o book em si não é um golpe. Até certo ponto é essencial. Mas há maneiras diferentes de construí-lo, e sempre haverá quem tenta tirar partido de pessoas inocentes em qualquer ramo!

Autor: Ben Lamy | Fotógrafo & Tradutor